Estudo Cidot: “Pistas” para uma relação entre Jornalistas e Empresas (Briefing)

briefingO e-mail surge como o meio mais utilizado para fazer chegar a informação às redacções. É também considerado “o mais prático” pelos jornalistas, seguido pelo “telefonema” e pelo fax. Esta é apenas uma das conclusões do primeiro estudo “Jornalistas e Empresas – Pistas para uma relação necessária” realizado em Portugal.

Com assinatura da consultora Cidot – Estúdio de Comunicação, o documento tem como “objectivo geral analisar as relações profissionais entre empresas e instituições e os Meios de Comunicação”, explica a empresa. Segundo adianta Marta Mimoso, directora-geral da Cidot Portugal, o estudo pretende ainda “clarificar o papel das agências de co¬municação no serviço que prestam às empresa”, considerando que “em Portugal, esse papel – e em particular as relações com os meios de comunicação social – continua envolto em polémica, desconhecimento e superstição”.

Como chega a informação aos jornalistas

Realizado a partir de 238 entrevistas, junto de jornalistas dos vários meios, o primeiro ponto sobre o qual foi solicitada informação aos profissionais teve a ver com o canal habitual através do qual recebem informações sobre empresas ou insti¬tuições para sua publicação.

A conclusão é que não existe um canal único através do qual um Meio recebe notícias de empresas e instituições. O “correio electrónico” surge como o meio mais apontado, menciona¬do por 97,5% dos entrevistados, seguido pelo “telefonema” e o “fax”, com 68,1% e 64,6% respectivamente. Para além destes canais, 43,3% dos jornalistas mencionou também a “conversa pessoal” e 37,4% apontam a “Internet/Web”. Outros meios através dos quais são recebidas notícias são, segundo os jornalistas consul¬tados, o estafeta (31,1%) e o correio (20,2%).

Quanto aos canais considerados mais práticos para receber informação, os inquiridos, independentemente do meio onde trabalham, apontam em maioria o “correio electrónico”. Já quando analisados por meio de comunicação, os dados apontam uma maior percentagem de jornalistas de meios digitais a considerar mais prático o telefonema (25%). Valor superior à do resto dos profissionais, sobretudo os da rádio e da televisão (4,2%).

Assumindo a importância do “correio electrónico”, a Cidot perguntou ainda aos jornalistas se preferiam receber as informações na sua própria caixa de correio electrónico ou na da secção. A preferência maioritária vai para o e-mail particular, adianta o relatório.

Comunicados de imprensa são os menos credíveis para os jornalistas

“Comunicados de imprensa”, “conferências de imprensa”, “conversa telefónica” e “entrevista pessoal” foram os quatro modos diferentes de transmitir a informação considerados pelo estudo na questão: “da sua experiência do último ano, quais dos mecanismos utilizados pelas empresas e instituições lhe merece mais credibilidade?”

Dos quatro, os mais credíveis foram a “entrevista pessoal” (51,3%) e a “conferência de imprensa” (16,4%). Já a “conversa telefónica” e o “comunicado” surgem como os canais menos credíveis (com 10,5 e 9,2% das respostas respectivamente).

Estas são apenas algumas das conclusões do estudo da Cidot realizado em Portugal. Para saber mais, sobre o estudo e sobre a relação entre os jornalistas e as empresas, consulte a edição impressa do Briefing de Dezembro, já disponível no nosso site, aqui (página 42).

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.

ACEPTAR
Aviso de cookies
SWITCH THE LANGUAGE
Text Widget
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vivamus quis neque vel quam fringilla feugiat. Suspendisse potenti. Proin eget ex nibh. Nullam convallis tristique pellentesque.